Em 2021, os crimes cibernéticos devem custar US$ 6 trilhões à economia global, conforme o relatório “Cybersecurity — Fighting Invisible Threats”, do banco suíço Julius Baer. A adoção do trabalho remoto associado a políticas fracas de segurança da informação pelas empresas contribui de maneira significativa para estes prejuízos bilionários.

Em tempos de internet e transformação digital, proteger os dados corporativos é até mais importante que proteger o escritório e as propriedades físicas de uma empresa.

Políticas de segurança, sistemas de proteção e monitoramento são caminhos para amparar sua empresa contra ataques de hackers e cibercriminosos. Veja 3 erros a serem evitados

  • Falta de controle dos colaborados

Cada área exerce determinada função e tem acesso a diferente tipos e níveis de dados. Um controle minucioso exige que cada departamento tenha um controle de proteção dados adequado. Pensando nisso, o melhor caminho é desenhar um modelo de controle de dados completo e abrangente suficientes para permitir acessos apenas aos colaboradores que realmente precisam. Imagine a dor de cabeça caso um funcionário despreparado tenha a acesso a informações confidenciais e, propositalmente ou não, divulga-las. Os prejuízos podem ser imensos para a companhia.

  • Falta de filtro de arquivos e sites suspeitos

Caso um colaborador clique em um link perigoso ou baixe um arquivo suspeito, ele pode estar inserindo um vírus em sua máquina. Uma vez na rede, este vírus pode se espalhar por toda a rede.

Como informação gera conhecimento, os funcionários devem receber treinamentos com noções básicas sobre os perigos de malwares e reconhecer e-mails suspeitos.

Para ajudar a implementar tal prática de segurança, uma ferramenta de MDM pode ajudar. Por meio da gestão realizada via MDM, é possível definir quais sites ou aplicativos podem ser instalados e, assim, proteger a empresa contra sites falsos e/ou maliciosos e ameaças.

  • Falta de políticas de senha

Pode parecer um erro simples e que dificilmente acontece, mas anotar senhas de máquinas e sistemas em post its é um erro que acontece e deve ser evitado, inclusive este hábito contraria a LGPD – Lei Geral da Proteção de Dados. Ainda que muito complexo e amparados por políticas de segurança, um sistema torna-se “fraco” por conta de uma única ação: senhas expostas ao monitor do dispositivo.

Além disso, as senhas dos próprios notebooks ou computadores devem ser atualizadas com uma frequência previamente determinada.