Nosso SAFIRA Case de hoje conta a história de uma empresa de cosméticos que tinha o desafio de implantar uma aplicação corporativa de trademarketing para seu time de 480 promotores espalhados pelo Brasil. O principal objetivo era melhorar as métricas de vendas dos super e hipermercados ao cliente final (sell-out), garantindo uma boa exposição dos produtos e sortimento (catálogo de produtos comercializado) adequado para estas lojas, num momento em que suas marcas passavam por um reposicionamento que exigiu reajuste de preços.

Até então, o controle realizado no campo pelos promotores de trade era todo em papel, com as já conhecidas dificuldades dos gestores da área. A implantação de um app de trade ajudaria a garantir a execução da estratégia como deveria ser, com a possibilidade de tomadas de decisão instantâneas, monitoramento em tempo real dos preços da concorrência e informações de sell-out com estimativas de estoques das redes de hiper e supermercados.

Nas últimas duas vezes em que a empresa tentou implantar uma solução de mobilidade para a equipe de trade, via promotores terceirizados, a estratégia havia esbarrado na resistência dos colaboradores em utilizar ferramentas que ajudariam a controlar sua jornada e a gerenciar seu trabalho em campo. Após a implantação, as reclamações gerais eram de “travamento” do aplicativo, de baterias que duravam poucas horas, casos frequentes de perda de ativos. As informações de campo custavam a chegar e o projeto não trazia o retorno do investimento (ROI) esperado.

Com o desafio de implantação de um novo projeto, em que a SAFIRA seria a empresa provedora de recursos e gestão da operação de Telecom, lançamos um Programa de Gamification – estratégias de interação entre a empresa e os colaboradores oferecendo recompensas àqueles que realizarem ações pré-determinadas por seus gestores. A decisão da empresa de internalizar seus promotores, que antes eram terceirizados, facilitou a aprovação deste projeto pela área de Recursos Humanos.

Para o desenho do Programa de Gamification, definimos quais indicadores relacionados aos recursos de telefonia garantiriam a disponibilidade da operação em campo: ganhavam pontos, por exemplo, promotores que saíssem para trabalhar com a bateria totalmente carregada, perdiam pontos quem quebrasse o smartphone por mau uso, entre outros indicadores. A integração da SAFIRA com a empresa fornecedora do aplicativo de trademarketing nos permitia ter acesso às métricas de campo, como ações de check-in e check-out nos pontos de vendas e execução das tarefas conforme demandadas. Itens como estes foram agregados ao Programa.

A divulgação semanal de um ranking de participantes e a premiação mensal pelo Programa nos ajudou a derrubar as “muletas” dos colaboradores, que tinham uma rede social criada especialmente para este Programa. Os contatos iniciais com reportes de ocorrências à Central de Atendimento SAFIRA, que foi treinada para relacionar o suporte ao colaborador à divulgação do Gamification, chegaram perto de ZERO já no terceiro mês de operação. Engajamento era a palavra da vez!

Ao longo do primeiro ano de projeto, o cliente já mensurava aumento nas vendas entre 15% e 20%, principalmente pela execução assertiva de uma estratégia comercial muito bem-sucedida. A diretora de marketing, responsável também pela área de Trade, atribuía parte deste sucesso às ações vencedoras criadas e executadas pela equipe da SAFIRA. Mais uma vez, cumprimos nossa proposta de transformar telecom em resultados de negócios.