Em meio à infinidade de modelos de smartphones disponíveis no mercado, escolher o que se encaixe melhor em suas necessidades operacionais e financeiras pode parecer uma tarefa quase impossível. Para simplificar este processo, criamos um guia rápido com 5 passos práticos que podem ajudá-lo nesta jornada. Confira abaixo!

Aparelhos Android recomendados pelo Google às empresas

1. Entenda as necessidades de quem vai utilizar o aparelho

Em uma mesma organização, equipes com diferentes funções têm necessidades diversas em seu dia a dia profissional. Por isso, o primeiro passo é entender como cada time de colaboradores utilizará o smartphone em suas atividades. Algumas perguntas podem direcionar esta avaliação:

  • Quais são as demandas de cada equipe da empresa?
  • Quais aplicativos corporativos terão de rodar no aparelho e quais são as especificações técnicas para eles?
  • Quão sofisticadas precisam ser as ferramentas de controle e gerenciamento (MDM/ EMM) para garantir a segurança das informações corporativas?
  • Se as equipes trabalham na rua, quão robusto o aparelho precisa ser?
  • Você vai precisar de aplicações de localização e GPS para rastrear os funcionários de equipes de campo?
  • Os colaboradores ligam ou recebem chamadas de outros celulares?
  • Sua empresa vai precisar tirar fotos ou gravar vídeos nas visitas aos clientes? Nesse caso, quão alta tem de ser a resolução da câmera e a memória do celular para armazenar estes arquivos?
  • O aparelho precisará armazenar banco de dados de uma carteira de clientes e terá de ter estrutura para preencher dados durante uma visita?
  • Qual deve ser a autonomia da bateria para atender as necessidades dos colaboradores de campo?

2. Pesquise as melhores ofertas no mercado e junto às operadoras de telefonia

Mapeadas as necessidades e especificações técnicas mínimas dos smartphones, é hora de ir ao mercado analisar os modelos de dispositivos e de contratações disponíveis. A decisão de compra ou locação dos aparelhos envolve análises operacionais, financeiras e contábeis.

Lembre-se de que os modelos devem ser homologados pelos provedores de aplicações corporativas e devem ter vida útil média de 24 meses.

3. Defina o melhor sistema operacional para o seu modelo de gerenciamento

O modelo escolhido deve ter um sistema operacional integrado às ferramentas de MDM (Mobile Device Management ou Gerenciamento de Dispositivo Móvel) que você já contratou ou pretende contratar. No caso de aparelhos Android, o Google criou uma lista de 21 modelos mais recomendados para empresas. Estes obedecem a requisitos mínimos de hardware, oferecem updates regulares de segurança de dados e um sistema simplificado de implantação, como o zero touch enrollment (ou registro sem toque), uma ferramenta que facilita muito a configuração de dispositivos. Neste site, você encontra a lista completa de aparelhos, operadoras e ferramentas de MDM e EMM (Enterprise Mobility Management) mais adequadas aos modelos Android, recomendadas e validadas pelo Google.

4. Pesquise a incidência de roubo e furto para os modelos escolhidos

Num país em que metade dos brasileiros já tiveram seu aparelho roubado ou furtado, analise os índices de sinistro de cada modelo e a necessidade de contratação de garantia de reposição ou seguro.

5. Avalie os custos com a assistência técnica de cada modelo

Os custos com reparos por mau uso, que não são cobertos pela garantia (como quebra de tela), devem ser considerados. Alguns fabricantes, como a Samsung, disponibilizam tabelas oficiais com valores para consertos e peças de reposição de acordo com o aparelho. Para facilitar o planejamento, pode-se contratar empresas especializadas em assistência técnica, com serviços de entrega e retirada de smartphones no endereço do cliente e SLA (Service Legal Agreement ou Acordo de Nível de Serviço) de atendimento.