A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) anunciou que lançará o leilão para a introdução do 5G no Brasil a partir de 2019. Na América Latina, a tecnologia deve chegar em 2020, com massificação prevista até 2025, segundo previsão da GSMA, associação global de operadoras móveis. E os gestores de tecnologia já começam a se preparar para as novas aplicabilidades de negócios que as conexões 5G, 100 vezes mais velozes que as atuais e quase em tempo real, podem trazer [SSP|ST1] . Para se ter uma ideia, isso permitirá baixar um filme de 1GB em apenas 10 segundos.

Esta nova realidade representa um grande mercado de possibilidades e significa uma taxa de compartilhamento de dados infinitamente maior entre pessoas e coisas e entre aparelhos (a Internet das Coisas, ou IoT). A tecnologia 5G diminuirá drasticamente a latência, ou seja, tempo de resposta de um aparelho conectado à internet quando uma ordem é recebida. Quanto menor esse tempo, mais rápido o aparelho reagirá às interações à distância, condição necessária para alavancar a IoT, em que equipamentos recebem ordens para realizarem atividades específicas.

Com aumento exponencial do número de conexões e transferência de dados, entraremos na era do “Everything on Mobile” ou ˜tudo é mobilidade˜. Todo esse cenário vai exigir infraestrutura e gerenciamento muito mais sofisticados de TI e Telecom para garantir o controle de uso e a segurança das informações de empresas e usuários. Os planos de dados ofertados hoje no mercado não devem ser suficientes para atender as demandas do dia a dia e planos com pacote muito superiores passarão a existir.

Com base nas características das redes 5G e na tendência de desenvolvimento da IoT a fabricante de celulares Huawei prevê alguns cenários de aplicação típicos para o futuro, que incluem:

Logística inteligente – a conexão 5G permitirá uma gestão extremamente eficiente para a indústria manufatureira e o setor de logística no futuro. Com a 5G, máquinas poderão ser coordenadas para uma produção muito mais eficiente. Antes de sair do distribuidor, cada peça será identificada e monitorada por radiofrequência RFID (do inglês “Radio-Frequency Identification”). Ao longo de todo o processo de entrega, estes RFIDs reportarão em tempo real as informações detalhadas da posição atual e do ambiente de mercadorias (como peixes, congelados, sorvetes e laticínios, por exemplo) que serão entregues, como temperatura, umidade, intensidade de luz, pureza do ar, velocidade de movimento, intensidade de vibração. Com isso, a transportadora e seus clientes podem facilmente compreender as posições e status de todas as entregas. Isso ajuda o cliente a se preparar com maior precisão para a chegada do produto. E se qualquer problema for relatado no caminho, o transportador pode tomar medidas precisas imediatamente.

Carros autônomos – Se a gestão inteligente do tráfego se tornar uma realidade nas cidades do futuro, cada vez mais carros autônomos aparecerão nas ruas e estradas. Para garantir a segurança de tráfego, um carro deve executar um comando remoto, por exemplo, a frenagem dentro de 1 metro. Hoje, a latência de uma rede 4G não atende a este requisito. Com a conexão atual, o automóvel a 100 km/h percorre 1,4 metros a partir do momento em que o comando de frear é acionado. Com a latência da rede 5G, ele levará apenas 2,8 cm, desempenho do padrão do sistema antibloqueio, o ABS.

Realidade Virtual e Experiência Imersiva – A realidade virtual e a experiência imersiva trarão drásticas mudanças para muitas indústrias, incluindo a de educação à distância e as que dependem de trademarketing. Para os colaboradores espalhados pelo país, a tecnologia de realidade virtual possibilitará o ensino e a interação com os professores em uma sala de aula virtual e também a realização de experimentos em pontos de vendas virtuais para execução de trademarketing, por exemplo. Para isso, a resolução da imagem de realidade virtual e do vídeo imersivo precisa se aproximar da quantidade de detalhes que a retina humana pode perceber. Isso exige que a taxa de transferência seja de 300 Mbps e superior, quase 100 vezes maior do que a taxa de transferência atual que suporta serviços de vídeo em HD.

Armazenamento na nuvem – Vídeos poderão ser compartilhados com as outras pessoas imediatamente. Na era 5G, a velocidade do armazenamento em nuvem pode ser tão rápida quanto armazenar arquivos localmente. A taxa de upload de uma rede alcançará 1 Gbps, 100 vezes maior do que a velocidade atual da rede.

O futuro está próximo e será superconectado e inteligente. Nele, os sonhos de carros autônomos, realidade virtual e experiência imersiva, sobretudo em trademarketing, serão realidade.